Você está em:
Dicas & TendênciasCapa da MAG: Feliciano não nos representa!

Capa da MAG: Feliciano não nos representa!

26 de junho de 2013 • 14:49
por Yuri Ribeiro

Eis que em meio aos protestos pelo Brasil e a aprovação do projeto, da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, intitulado “cura gay” surge algo que de fato nos representa. Em protesto Paulo Borges, publisher da FFW MAG! Divulgou a próxima capa da revista. Dois rapazes aparecem em clara manifestação de carinho acompanhados da hastag #felicianonaonosrepresenta

Nós, do Blog Com Estilo somos totalmente contra esta ação. Porque? Entenda! O projeto aprovado quer tornar o trecho do Artigo 3º e todo o Artigo 4º da Resolução 1/99 do Conselho Federal de Psicologia, sem efeito algum, ou seja, que invalidar tais citações. De acordo com os artigos, é vetado aos psicólogos o direito de oferecer ajuda ou tratamento a homossexuais e os proíbe de fazer pronunciamentos públicos sobre o tema. Veja a baixo:

Art. 3° – os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados.
Parágrafo único – Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades.
Art. 4° – Os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica.”

Ora, se vai haver então a suspensão deste paragrafo "Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades", portanto haverá tratamento. Não concordam?

Este é o aval para que os psicólogos estejam livres para realizar tratamento, ainda que  o trecho anterior, que se refere a patologização da homossexualidade não seja suspenso. Só o fato de abrir brechas para um tratamento,  já inválida a parte acima – mesmo sem a suspensão de fato, tendo em vista que tratamento só é feito para patologias e se vai haver um tratamento é porque a proposta vê a questão como uma patologia

Daí você nos pergunta, mas e o direito de ir e vir? Os psicólogos não podem sem censurados! Eles podem se manifestar!

Veja bem, o artigo não estar lá como um meio de censurar o psicólogo – ainda que o faça. Ele estar lá para deixar claro que não pode haver um tratamento para um assunto que não foi taxado como patologia. Não existe um consenso sobre o assunto. Os artigos estão lá para reafirmar que o psicólogo não podem participar de pronunciamentos públicos sobre a homossexualidade afirmando que esta é uma doença por não haver nada que comprove isso.

Suspendendo tais artigos a proposta consequentemente rotula a homossexualidade como uma doença. Os artigos normatizam o posicionamento psicológico: de que não se pode afirmar que a homossexualidade é uma patologia por não existir nada que comprove isso. O Conselho Federal de Psicologia, que proíbem que a homossexualidade seja vista como doença

Enfim, essa é uma discursão que vai além! A sorte é que o projeto ainda precisa passar pela Câmara e caso seja aprovado será levado para a votação em plenário. Portanto, ainda há um longo caminho para que essa insanidade seja de fato aprovada. E até lá, estaremos na torcida para que esse projeto não vá para frente e não passe de mais uma iniciativa tola dos políticos.

#FELICIANONAONOSREPRESENTA

Seja o primeiro a comentar

A moda sai de moda, o estilo jamais.

Coco Chanel